Comandante da 2ª Cia da Polícia Militar de São Félix do Araguaia nega ter agredido esposa

Por Vanessa Lima/O Repórter do Araguaia 17/10/2019 - 01:52 hs

Comandante da 2ª Cia da Polícia Militar de São Félix do Araguaia nega ter agredido esposa
Foto: O Repórter do Araguaia

O capitão Marcelo de Oliveira Conde, negou nesta quarta-feira (16)  em conversa por telefone,  ao jornal “O Repórter do Araguaia”, ter agredido a mulher dele, de 30 anos, e um soldado da Polícia Militar, de 32 anos, que tentou acalmá-lo e defender a mulher, na madrugada de terça-feira (14), sede da 2ª Companhia da Polícia Militar, em São Félix do Araguaia (1.160 km de Cuiabá).

Ele conduz Comandante da 2ª Cia da Polícia Militar de São Félix do Araguaia e, conforme boletim de ocorrência teria agredido a esposa no interior do quartel. De acordo com o Capitão a denúncia não condiz com a verdade dos fatos, já que, em momento algum, agrediu fisicamente ou moralmente a sua esposa. Ainda segundo Marcelo Conde, não havia nenhum motivo para tal comportamento e nem faz parte da índole agredir pessoas, principalmente mulher.

O Capitão negou todas as acusações, repetindo várias vezes que nunca agrediu a esposa. Marcelo Conde se mostrou indignados com as falsas notícias que estão circulando em grupos de WhatsApp e sites de notícias da região. "De uma hora para outra vi meu nome e de minha família expostos na mídia. Me senti no dever de esclarecer os fatos que foram veiculados. Espero que uma vez esclarecido possa voltar a me dedicar ao meu trabalho e a minha esposa”, declarou o Capitão.

Segundo ele, as representações foram motivadas por momentos de “fragilidade emocional”. “Tivemos um desentendimento familiar, afinal os casais têm certos arranjos e, às vezes, voltam atrás. Eu sou inocente de fato e de direito e aqueles que deram a notícia com extrema ênfase deveriam apresentar novas informações sobre o caso”. O Capitão afirmou defender a Lei Maria da Penha e ser contra qualquer tipo de violência doméstica.

Ele garante que vai provar sua inocência no caso e diz estar triste com a repercussão da notícia. "Estou decepcionado e triste com o fato, sobretudo pela repercussão tomada, entretanto, estou absolutamente confiante de que vou provar minha inocência, já que não cometi nenhum crime. Por conta da informação que está circulando na internet, todo mundo me procurou, pela história de que eu agredi a minha esposa. Não houve nada disso. Isso é ruim tanto para a imagem minha, como para a da minha esposa”.

“Estamos sendo vítimas de pessoas sem escrúpulos que querem apenas me difamar e caluniar. Quem está divulgando isso, quis me expor, quer destruir minha reputação como homem, profissional e cidadão. Fico muito triste com à proporção que as coisas estão tomando, já que pessoas estão encaminhando essa mentira sem ao menos se preocuparem com as consequências do que estão fazendo. Não vou aceitar o que estão fazendo comigo e com minha esposa. Enfrentarei isso de cabeça erguida, porque jamais agredi qualquer mulher, ainda mais a minha esposa”, declarou o Capitão.

Resaltando que recentemente, durante a inauguração do Hospital Municipal Prefeito João Abreu Luz, em São Félix do Araguaia a médica e esposa do Capitão Marcelo Conde recebeu das mãos da prefeita Janailza Taveira Leite um certificado de agradecimentos e reconhecimento aos trabalhos prestados a região e foi elogiada pelo senador Wellington Fagundes e aplaudida pelo presentes.

A falsa matéria – absolutamente sensacionalista – tem por único fim manchar a sua imagem, que já apresentou defesa à polícia, por meio de depoimento e provas documentais. O Comandante da 2ª Cia da Polícia Militar de São Félix do Araguaia, Marcelo de Oliveira Conde é um profissional é pautado pela ética e moralidade com serviço público prestado a São Félix do Araguaia, como concursado do Estado de Mato Grosso.

Capitão Conde pede desculpa à população mato-grossense, em especial da cidade de São Félix do Araguaia e região, a qual foi surpreendido com a notícia de teria cometido um crime contra a sua mulher, fato que segundo ele, não ocorreu, tudo não passou de um grande equívoco motivado por razões de foro íntimo.