Professor de Barra do Garças orienta pesquisa sobre Solo Líquido na produção de hortaliças

Por Agrnoticias 14/10/2019 - 07:18 hs

O primeiro professor brasileiro a ser indicado ao prêmio internacional Global Teacher Prize, considerado o ‘Nobel da Educação’, morador de Barra do Garças-MT e professor da UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso), continua com o desenvolvimento de novas pesquisas que acabam concorrendo em diferentes competições. Dr. Márcio de Andrade Batista, 45, engenheiro químico e doutor em engenharia mecânica, concorreu ao mesmo prêmio em 2016 por um conjunto de pesquisas, com destaque para a castanha do baru, nativa da região do Araguaia, que resultou em uma farinha que tem como aplicação enriquecer a alimentação de atletas de alto desempenho. 

Além da indicação internacional, as pesquisas que têm sido tema de reportagens, foram motivo para indicação de moções de aplauso na Câmara Municipal de Pontal do Araguaia-MT e até mensagem do apresentador global Luciano Huck. Mais recentemente, o professor foi orientador de duas pesquisas, o Concrenox (bloco de concreto com parte de aço inox, constituído de uma parte do eletrodo que é descartada durante o processo de soldagem) e o Solo Líquido, que concorreram neste início de outubro no ITA Challenge, competição que objetiva difundir a cultura do empreendedorismo e inovação na comunidade acadêmica, promovida pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). 

Solo Líquido 

O Solo Líquido, coordenado pela graduanda em agronomia Aline Ramos, procura desenvolver um solo sintético com características híbridas: retenção de água e também de nutrientes com difusão controlada para a produção de hortaliças. O produto possibilita que o próprio consumidor cultive seu próprio alimento sem a necessidade de um grande espaço físico ou de conhecimentos técnicos. Além disso, o Solo Líquido é uma maneira sustentável de produzir alimento porque ele terá concentrações ideais de nutrientes e água, evitando o máximo de desperdício hídrico.

A pesquisa ainda está em escala de laboratório e eles já conseguiram manter uma hortaliça (alface) com 30 dias sem irrigação. Conforme o professor, a proposta é dispensar a necessidade de solo convencional. “Nosso objetivo será a agricultura de concreto [termo formulado pela aluna Ramos] e agricultura urbana. Poderá no futuro ser usada como ‘horta de mão’ por assim dizer e ser cultivada mesmo em apartamentos e casas”, disse em entrevista para a AGR Notícias. A pesquisa continua em teste para se observar mais resultados.

Graduanda em agronomia Aline Barros demonstrando Solo Liquido

Amantegamento

Entre várias pesquisas, atualmente o Dr. Márcio Andrade está trabalhando em processos de recuperação de máquinas agrícolas via técnica de Amantegamento. “É a deposição de cordões de solda com diferentes composições químicas de cada material. Então eu posso alternar entre o 308 e o 309 [eletrodo] para evitar que forme uma estrutura pura e provoquem trincas na estrutura da máquina… Em uma HV [máquina florestal], ela quebrava 10 minutos depois de soldar. Depois dessa técnica, pelo que eu sei fazem seis anos que não quebrou.