Morte de Policial Civil: Polícia prende mais dois suspeitos

Por Ascom PJC 10/04/2019 - 21:12 hs

Morte de Policial Civil: Polícia prende mais dois suspeitos
Márcia Régia de Matos, 59 anos foi morta em Ribeirão Cascalheira

RIBEIRÃO CASCALHEIRA - Um homem e uma mulher apontados como membros da associação criminosa envolvida no latrocínio da investigadora Márcia Régia de Matos, 59 anos, foram presos pela Polícia Judiciária Civil, durante ação de controle e combate a facções criminosas no interior do Estado, nesta terça-feira (09.04).

A operação contou com a participação das Delegacias Regionais de Água Boa, Primavera do Leste, e a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), unidade ligada a Diretoria de Atividades Especiais (DAE). O criminoso E.O.L., 37 anos, teve o mandado de prisão cumprido na cidade de Campo Verde, e a suspeita I.C.M., 19 anos, foi presa em Querência.

Também foi apreendida a motocicleta utilizada na fuga dos criminosos, logo depois da execução da investigadora da Polícia Civil. Os dois presos são membros de uma facção criminosa que atua dentro e fora de presídios de Mato Grosso e integram a associação criminosa que vinha praticando crimes nos municípios de Canarana, Ribeirão Cascalheira e Querência.

Após o latrocínio da investigadora, ocorrido em 22 de fevereiro deste ano, no município de Ribeirão Cascalheira, o criminoso retornou a cidade de Campo Verde, onde estava morando com a mulher e um filho pequeno. A policial civil foi friamente assassinada por criminosos armados com revólver e uma arma longa tipo rifle, que invadiram sua propriedade.

Depois descobriram que ela era policial foi levada em seu próprio veículo (Fiat Estrada) e morta com dois tiros na cabeça. O corpo da investigadora foi encontrado na madrugada do dia 23 de fevereiro, em uma região de mata, próximo ao local onde seu veículo foi abandonado pelos criminosos.

Os bandidos fugiram em uma motocicleta, levando duas armas da investigadora (1 revólver 38 e um rifle 22) e a pistola PT 940, acautelada da Polícia Civil. As armas ainda não foram localizadas.

A Polícia Judiciária Civil prendeu cinco suspeitos e apreendeu dois menores membros da associação criminosa. Dois deles tiveram participação ativa no latrocínio e os demais atuaram no suporte logístico aos executores do crime.

Todos respondem por quadrilha armada, roubo seguido de morte (latrocínio), furto qualificado, roubo majorado, associação criminosa armada, e posse ilegal de arma de fogo de uso permitido.