Produtores acusam índios de atear fogo em pontes e sabotar escoamento da safra

Por Mikhail Favalessa - O Livre 25/03/2019 - 03:13 hs

Produtores rurais de Brasnorte e Campo Novo do Parecis acusam índios de atear fogo em pontes da região para sabotar o escoamento da produção. Em um vídeo divulgado neste domingo (24), o zelador de uma fazenda mostra uma ponte de madeira na MT-488 sobre o Rio Membeca completamente queimada.

 

Agnaldo Horácio, cuja voz aparece no vídeo, afirmou à reportagem que esta não é a primeira vez que os índios colocam fogo em pontes na área. Pelo menos outras duas teriam sido incendiadas nos últimos dias. “São pontes que ficam em áreas muito isoladas, onde quase não passa ninguém. Eles fazem isso durante a madrugada e aí, quando nós chegamos de manhã para atravessar, encontramos as pontes já destruídas”, disse ao RD.

 

Com a destruição das pontes, os fazendeiros estariam sendo obrigados a desviar em mais de 180 km as rotas para escoar a produção da região. A época é de colheita, o que aumentaria os custos. A estrutura queimada, que aparece no vídeo, fica a 70 km de Nova Maringá e a 100 km de Brasnorte.

 

Clique no link e veja o vídeo realcionmado a matéria: www.youtube.com/watch?v=It8F1SCLAcM

 

De acordo com o trabalhador, os ataques seriam uma resposta dos indígenas a uma decisão do Governo Federal que suspendeu a “ampliação” da Terra Indígena Manoki, na qual vivem integrantes do povo Irantxe.

 

A área está em disputa desde 1968, quando o governo criou a terra indígena por decreto presidencial. Os produtores rurais alegam que estavam consolidados e produzindo na região desde antes da demarcação. A disputa está na Justiça.

 

“Os índios vem há muito tempo roubando porco, atirando nas vacas e ameaçando os fazendeiros que estão dentro da área. Eles andam por aqui armados, com proteção das ONGs, e da Funai. Estão aterrorizando os fazendeiros”, assevera Agnaldo.

 

O trabalhador relatou que boletins de ocorrência foram registrados nas delegacias de Brasnorte e Nova Maringá, mas que a situação de tensão e conflito segue.