Por determinação judicial, seguranças de Riva na fazenda Bauru, em Colniza, ganham a liberdade

Ao determinar a soltura dos quatro seguranças, contratados junto a empresa Unifort, o juiz Alexandre Sócrates esclarece que a “tragédia ocorreu por comportamento abusivo e ilegal dos posseiros” , que não respeitaram a decisão judicial que os impedia de chegar próximo aos limites da fazenda, dos ex-políticos mato-grossenses.

Por Redação 24 Horas News 07/01/2019 - 10:55 hs

Os quarto seguranças da fazenda Bauru, de propriedade do ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva e do ex-governador Silval Barbosa, em Colniza presos na tarde de domingo em ação onde um homem foi morto e outros 9 ficaram feridos já ganharam a liberdade, nas primeiras horas desta segunda-feira. A decisão é do juiz plantonista Alexandre Sócrates Mendes, que entendeu que eles estavam apenas defendendo um patrimônio em um momento de invasão por parte de integrantes do Sem Terra.

Ao determinar a soltura dos quatro seguranças, contratados junto a empresa Unifort, o juiz Alexandre Sócrates esclarece que a “tragédia ocorreu por comportamento abusivo e ilegal dos posseiros” , que não respeitaram a decisão judicial que os impedia de chegar próximo aos limites da fazenda, dos ex-políticos mato-grossenses.

Ainda em seu despacho, determinando a imediata soltura dos seguranças, o magistrado esclarece que ordenamento jurídico autoriza o proprietário a exercer a autodefesa de seu patrimônio. Por tais razões, o juiz considerou o flagrante ilegal e relaxou as prisões.

Segundo moradores de Colniza, em contato com a reportagem, os quatro tiveram de sair da delegacia da cidade escoltados por outros seguranças e pela própria Polícia Civil que os prendeu, por temor de emboscada por parte dos posseiros.