“Não estou pensando em reeleição; não faço o diabo por reeleição”

Governador disse, ainda, acreditar que daqui um ano Mato Grosso terá uma economia melhor

Por Douglas Trielli -Mídia News 01/12/2017 - 03:30 hs
Foto: Alair Ribeiro/MidiaNews

O governador Pedro Taques (PSDB) voltou a afirmar, nesta quinta-feira (30), não estar pensando nas eleições de 2018, quando poderá concorrer à reeleição.

 

Em entrevista à rádio Jovem Pan, ele disse que o pleito entrará em pauta somente próximo do período de escolha dos candidatos. O tucano ainda criticou a antecipação das discussões.

 

“Não estou pensando em reeleição. Reeleição é só depois, se serei candidato ou não. Só penso em reeleição no momento certo”, disse.

 

“A politização de todos os assuntos pensando em eleições foi o motivo de muitas coisas erradas que foram feitas no passado. Era o tudo pela reeleição. Eu não faço tudo pela reeleição, não faço o diabo pela reeleição”, completou.

 Apesar de não confirmar, o tucano já dialoga, nos bastidores, sobre a possibilidade de disputar a reeleição. O próprio líder do Governo, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), afirmou à imprensa, nesta semana, ter se reunido com Taques e conversado sobre eleições.

 

“Eu quero administrar o Estado decentemente, corretamente. Não tenho pressa. Sou relativamente competente, mesmo com todos os meus defeitos. Não sou o último grão de soja deste cerrado, não sou a última bolacha do pacote, tenho meus defeitos e falhas”, afirmou.

 

“Mas se você buscar levantar o porquê algumas pessoas não gostam de Pedro Taques, verá que são, às vezes, por acordos que não quis fazer. E não faço. Sou intransigente com o dinheiro público. Este é meu defeito para alguns. Se isso for pecado, quero dizer que sou pecador”, disse.

 

Economia melhor

 

O governador afirmou, ainda, que espera que daqui um ano o Estado esteja em condições melhores de economia.

 

Segundo ele, a reação positiva da economia nacional e, em Mato Grosso, a aprovação da Emenda Constitucional do Teto de Gastos darão condições financeiras melhores que as de 2017.

 

“Penso que em 2018, estaremos melhores posicionados que em 2017. Primeiro, o Brasil já está reagindo. Penso que a economia esteja reagindo. E Mato Grosso, com os acertos das contas públicas, terá um ano bem melhor”, completou.